IPST no Grupo de Trabalho para resposta a Eventos de Massa

Foi publicado, no dia 15 de janeiro, o Despacho n.º 697/2019, que “cria um Grupo de Trabalho para a definição de uma estratégia de preparação e resposta para Eventos de Massa e respetiva operacionalização, na salvaguarda da saúde pública”.

O Instituto Português do Sangue e da Transplantação está representado neste Grupo de Trabalho pela Diretora Técnica do Centro de Sangue e da Transplantação de Lisboa, Dra Ana Paula Sousa.

 

…“Compete ao Grupo de Trabalho prosseguir os seguintes objetivos:

a) Desenvolver metodologias e ferramentas para identificação de necessidades, avaliação de risco e definição de medidas de resposta para a prevenção da doença, promoção e proteção da saúde das populações no contexto dos Eventos de Massa;

b) Propor sistemas de classificação de eventos por nível de risco, valorizando a vertente clínica;

c) Sistematizar critérios relevantes como fatores agravantes do nível de risco para a melhor adequação do dispositivo de saúde às necessidades clínicas;

d) Normalizar a dimensão e tipologia do dispositivo de saúde que deverá corresponder a cada evento segundo as respetivas características e particularidades, incluindo a dimensão das equipas de assistência médica e o cálculo de meios de emergência médica pré-hospitalar requeridos;

e) Identificar os meios que as entidades promotoras devem providenciar em recursos infraestruturais, equipamentos e recursos humanos respeitantes ao apoio clínico, segundo a tipologia do Evento;

f) Identificar os aspetos clínicos e de emergência médica a prever nos planos de segurança do evento que a entidade promotora deverá assegurar;

g) Definir os requisitos das entidades autorizadas a exercerem funções de assistência;

h) Definir as funcionalidades e parametrizações mínimas para o registo clínico, notificação de alertas e sistemas e circuitos de informação que permitam uma adequada articulação entre as diversas entidades e contribuam para a deteção precoce e vigilância epidemiológica, sem prejuízo do regime legal de proteção de dados pessoais;

i) Identificar outras áreas em que seja necessário definir normas e boas práticas, para garantir a saúde e segurança dos participantes e da comunidade onde decorrem os Eventos de Massa;

j) Identificar áreas relevantes para a avaliação de eventuais riscos ambientais com reflexo na saúde dos participantes e da comunidade onde decorrem Eventos de Massa, designadamente, as áreas de alimentação, abastecimento de água, drenagem de águas residuais, resíduos, fenómenos climáticos extremos, águas recreativas e risco de doença dos legionários.”…

Loading...
Loading...